O PADRÃO DE CIFRAGEM D'ACCORD

Caso o acorde desejado não tenha sido encontrado na lista de acordes, verifique se ele não equivale a algum outro acorde existente. O texto a seguir serve para explicar a notação de cifras, o padrão de cifragem utilizado no D'Accord Dicionário e como fazer uma cifra tornar-se compatível com esse padrão.

  • CIFRAS

    Cifras são os nomes dados aos acordes. Chamamos de músicas cifradas os textos contendo a letra e as cifras dos acordes que compõem uma música.

    Elas não seguem um padrão rígido, sobretudo na Internet e, por isso, são encontrados várias vezes diferentes nomes para um mesmo acorde.

    Por esta razão, é importante compreender o significado das cifras, de forma a reconhecer o acorde que ela representa.

    Uma cifra é composta basicamente de 4 items:

    1 - Tônica
    2 - Modo
    3 - Dissonâncias
    4 - Inversão (baixo)

    Tônica

    Cada acorde é composto por 3 ou mais notas. A Tônica indica a nota principal do acorde, e segue a seguinte nomenclatura:

    C - Dó

    C# ou Db - Dó Sustenido ou Ré Bemol

    D - Ré

    D# ou Eb - Ré Sustenido ou Mi Bemol

    E - Mi

    F - Fá

    F# ou Gb - Fá Sustenido ou Sol Bemol

    G - Sol

    G# ou Ab - Sol Sustenido ou Lá Bemol

    A - Lá

    A# ou Bb - Lá Sustenido ou Si Bemol

    B - Si

    Modo

    O modo complementa a tônica, indicando as outras notas que compõem-no. Existem 3 modos principais: maior, menor e diminuto. A tabela abaixo mostra a nomenclatura e as notas existentes em acordes nestes modos, tomando como tônica a nota Dó (C).

    Modo Cifra em C Notas que compõem o acorde
    Maior C C, E, G
    Menor Cm C, Eb, G
    Diminuta C, Eb, Gb, A

    Obs: É importante notar que os acordes maiores não apresentam nenhuma indicação. Logo, o acorde D, por exemplo, indica um "Ré Maior".

    Tabela de Intervalos

    Os acordes são definidos como conjuntos de notas. Entretanto, cada acorde é definido em termos de seus intervalos, e não de suas notas. Um intervalo é definido como o diferença entre duas notas (o número de semitons entre duas notas). A idéia é que a nomenclatura sirva para todas as tônicas. Desta forma, é possível, por exemplo, falar que um acorde maior é composto pela tônica, pela terça maior e pela quinta justa, e isto servirá para qualquer acorde maior. Como a terça maior de um Dó é um Mi, e sua quinta justa é um Sol, são estas as notas de um Dó Maior. Baseando-se nestes intervalos, são compostas todas as cifras. Na tabela abaixo podem ser vistos os diversos intervalos, e seus possíveis nomes em cada uma das tônicas.

    Tônica, fundamental   C C#,Db D D#,Eb E F F#,Gb G G#,Ab A A#,Bb B
    Nona menor b9 C#,Db D D#,Eb E F F#,Gb G G#,Ab A A#,Bb B C
    Nona (maior) 9 D D#,Eb E F F#,Gb G G#,Ab A A#,Bb B C C#,Db
    Nona aumentada, terça menor #9, m D#,Eb E F F#,Gb G G#,Ab A A#,Bb B C C#,Db D
    terça (maior)   E F F#,Gb G G#,Ab A A#,Bb B C C#,Db D D#,Eb
    quarta (justa), décima primeira (justa) 4, 11 F F#,Gb G G#,Ab A A#,Bb B C C#,Db D D#,Eb E
    quinta diminuta, décima primeira aumentada b5, #11 F#,Gb G G#,Ab A A#,Bb B C C#,Db D D#,Eb E F
    quinta (justa)   G G#,Ab A A#,Bb B C C#,Db D D#,Eb E F F#,Gb
    quinta aumentada, sexta menor, décima terceira menor #5, b6, b13 G#,Ab A A#,Bb B C C#,Db D D#,Eb E F F#,Gb G
    sexta (maior), décima terceira (maior), sétima diminuta 6, 13, º A A#,Bb B C C#,Db D D#,Eb E F F#,Gb G G#,Ab
    sétima (menor) 7 A#,Bb B C C#,Db D D#,Eb E F F#,Gb G G#,Ab A
    sétima maior 7M B C C#,Db D D#,Eb E F F#,Gb G G#,Ab A A#,Bb


    Obs.: Nesta tabela, as vírgulas separam alternativas possíveis. Por exemplo, pode-se chamar tônica, ou fundamental. Já os parênteses indicam nomes de uso facultativo. Por exemplo, pode-se chamar "nona maior" ou apenas "nona".

    Dissonâncias

    Os acordes são definidos em termos de seus intervalos. Eles são compostos da fundamental, da terça (que pode ser maior ou menor, de acordo com o modo) e da quinta. As dissonâncias indicam as demais notas que eventualmente componham o acorde.

    Por exemplo, a cifra Dm6 indica um Ré menor, adicionando-se a sexta (o "6" da cifra). Como se trata de um D (Ré), a sexta representa a nota B (Si, ver tabela).

    Obs.: É necessário observar ainda os seguintes casos:

    1. Os acordes chamados suspensos (C4, D4) são acordes que possuem a terça suspensa. Eles trocam a terça pela quarta justa.

    2. Os acordes diminutos são formados pela terça menor, pela quinta diminuta e pela sétima diminuta.

    3. Alguns acordes omitem algum de seus elementos básicos. Neste caso, usualmente utiliza-se a nomenclatura "omit". Por exemplo, C9(omit3) é um Dó maior com nona, omitindo-se a terça.

    Inversão

    Por fim, as cifras podem possuir uma barra ("/"), separando duas notas. Por exemplo: A/E. Isto indica que a nota mais grave não é a nota fundamental, é a nota indicada. Neste exemplo (A/E), trata-se de um Lá maior, com baixo em Mi.

    Exemplos

    Abaixo são citados alguns exemplos de cifras, e as notas que as compõem:

    CC, E, G
    Db7MDb, F, Ab, C
    A#m6/C#C#, A#, D, G
    E4/7E, A, B, D
    G7M(9) G, A, B, D, F#


  • CIFRAS EQUIVALENTES

    Caso o acorde desejado não exista na lista de acordes do D'Accord Dicionário, verifique se ele não equivale a algum outro acorde existente. Normalmente, a diferença encontra-se nas diferentes notações utilizadas para descrever os intervalos. Abaixo, exibimos uma lista de nomes utilizados.

    Exemplo em C Nomenclatura dos intervalos, usados no D'Accord Dicionário Outras nomenclaturas possíveis
    C   8
    C#, Db b9 9b, 9-, -9, B9, 9B, b2, 2b
    D 9 add9, add, 2
    D#, Eb #9, m 9#, +9, 9+
    E    
    F 4, 11 sus4, sus
    F#, Gb b5, #11 5b, -5, 5-, 11#, +11, 11+
    G   5
    G#, Ab #5, b6, b13 5#, 6b, 13b, +5, 5+, -6, 6-, -13, 13-, aug
    A 6, 13, º  
    A#, Bb 7  
    B 7M 7+, +7, maj7,


    É possível, ainda, encontrar nomes diferentes para os modos.

    Acorde Exemplo da cifra em C Outras nomenclaturas possíveis (também em C)
    menor Cm Cmin
    diminuta Cdim


    Além disso, a ordem com que as dissonâncias aparecem pode ser alterada e os símbolos utilizados para separar as dissonâncias podem variar. Por exemplo:

    D4/7, D7/4, D4|7, D4(7), D7/11 referem-se ao mesmo acorde.

    Por fim, é possível encontrar cifras utilizando os nomes das notas por extenso, ou em letras minúsculas. Por exemplo:

    E7, e7, Mi7

    G7M, G7+, Gmaj7, g7m, Sol7M

    A6, A(6), a6, Lá6

    Cada uma destas linhas ilustra várias cifras para o mesmo acorde.

  • CASOS ESPECIAIS

    Há, ainda, alguns casos especiais (daremos sempre, aqui, o exemplo em C, porém são extensíveis a todas as outras tônicas):

    1. O acorde "maior com sétima e quinta diminuta" também é chamado de meio-diminuto. Assim, a cifra Cm7(b5), por exemplo, também é freqüentemente chamada de Chalf-dim ou de .

    2. Em alguns casos, a cifra "C9" significa o acorde "C7(9)", enquanto a cifra "Cadd9" significando o acorde "C9". Verifique, portanto, se há estes dois nomes em uma mesma música cifrada. Caso exista, interprete o "C9" como um "C7(9)".

    3. O acorde C5, ou C(5), geralmente indica o acorde C(omit3) (acorde omitindo-se a terça). É muito comum a sua utilização em Rock. Em alguns casos, entretanto, pode significar um C (Dó maior) apenas. Por exemplo, dada a seguinte seqüência de cifras:

    C(8), C7M, C7, C6, C(#5), C(5)

    As cifras C(8) e C(5) são equivalem à cifra C.

    Falsas Inversões

    Freqüentemente, diversos acordes são cifrados como inversões, quando na verdade não o são. Teoricamente, o baixo do acorde (a nota tocada na corda mais grave) precisa fazer parte das notas que compõem o acorde para caracterizar uma inversão. Porém, é comum manter a mesma posição de um dado acorde e mudar-se o baixo e avaliar que se trata de um acorde invertido. Entretanto, nem sempre este baixo pertence ao conjunto de notas do acorde.

    Nas figuras abaixo são vistos alguns exemplos que surgem de uma posição de um Lá maior (composto pelas notas "A", "C#" e "E"). No primeiro exemplo, o baixo é um "B", que não faz parte do acorde, portanto não deveria se chamar "A/B" e, sim, um acorde bem formado chamado "B4/7(9)". No segundo exemplo, o baixo é um "F#", que também não faz parte do acorde. Este acorde deveria ser cifrado, então, como "F#m7", e não como um A/F#.




    Obs.: Entretanto, algumas vezes há inversões que não são falsas, são acordes com dissonâncias omitidas da cifra. Por exemplo, os acordes A/G, A/D e A/G# deveriam se chamar, respectivamente: A7/G, A4/D e A7M/G#.

    Em resumo, como regra geral para interpretar uma cifra, siga os seguintes passos:

    1. Quando encontrar uma inversão, monte o acorde sem o baixo invertido, e depois altere o baixo para seguir a indicação. Provavelmente, isto irá formar o acorde desejado pela pessoa que escreveu a cifra.

    2. Entretanto, tome o cuidado com acordes onde o baixo não pertença ao conjunto de notas que compõem o acorde.

    3. Ao escrever uma cifra, procure verificar a cada caso se trata-se ou não de uma inversão . A lista abaixo é um bom auxílio. Se a sua cifra (invertida) encontra-se entre as listadas, troque-a para o nome mais correto.

    A seguir, são citados alguns exemplos de falsas inversões (nos casos abaixo são mostrados exemplos em todas as tônicas):

    1. O acorde C4/7(9) freqüentemente é denominado Bb/C ou Gm7/C.

    Bb/C, Gm7/C C4/7(9)
    B/C#, G#m7/C# C#4/7(9)
    B/Db, Abm7/Db Db4/7(9)
    C/D, Am7/D D4/7(9)
    C#/D#, A#m7/D# D#4/7(9)
    Db/Eb, Bbm7/Eb Eb4/7(9)
    D/E, Bm7/E E4/7(9)
    Eb/F, D#/F, Cm7/F F4/7(9)
    E/F#, C#m7/F# F#4/7(9)
    Fb/Gb, Dbm7/Gb Gb4/7(9)
    F/G, Dm7/G G4/7(9)
    F#/G#, D#m7/G# G#4/7(9)
    Gb/Ab, Ebm7/Ab Ab4/7(9)
    G/A, Em7/A A4/7(9)
    G#/A#, Fm7/A# A#4/7(9)
    Ab/Bb, Fm7/Bb Bb4/7(9)
    A/B, F#m7/B, Gbm7/B B4/7(9)


    2. O acorde Cm7 freqüentemente é denominado Eb/C

    Eb/C Cm7
    E/C# C#m7
    E/Db Dbm7
    F/D Dm7
    F#/D# D#m7
    Gb/Eb Ebm7
    G/E Em7
    Ab/F, G#/F Fm7
    A/F#  F#m7
    A/Gb Gbm7
    Bb/G, A#/G Gm7
    B/G# G#m7
    B/Ab Abm7
    C/A Am7
    C#/A# A#m7
    Db/Bb Bbm7
    D/B Bm7


    3. O acorde C7M freqüentemente é denominado Em/C.

    Em/C C7M
    Fm/C#  C#7M
    Fm/Db Db7M
    F#m/D, Gbm/D D7M
    Gm/D# D#7M
    Gm/Eb Eb7M
    G#m/E, Abm/E E7M
    Am/F F7M
    A#m/F# F#7M
    Bbm/Gb Gb7M
    Bm/G G7M
    Cm/G# G#7M
    Cm/Ab Ab7M
    C#m/A, Dbm/A A7M
    Dm/A# A#7M
    Dm/Bb Bb7M
    D#m/B, Ebm/B B7M


    4. O acorde Cm7(b5) freqüentemente é denominado Ebm/C.

    Ebm/C, D#m/C Cm7(b5)
    Em/C# C#m7(b5)
    Em/Db Dbm7(b5)
    Fm/D Dm7(b5)
    F#m/D# D#m7(b5)
    Gbm/Eb Ebm7(b5)
    Gm/E Em7(b5)
    G#m/F, Abm/F Fm7(b5)
    Am/F# F#m7(b5)
    Am/Gb Gbm7(b5)
    A#m/G, Bbm/G Gm7(b5)
    Bm/G# G#m7(b5)
    Bm/Ab Abm7(b5)
    Cm/A Am7(b5)
    C#m/A# A#m7(b5)
    Dbm/Bb Bbm7(b5)
    Dm/B Bm7(b5)


  • EXEMPLOS

    Para citar alguns exemplos, as seguintes cifras são equivalentes (são vários nome para o mesmo acorde). Obs.: Todos os exemplos podem ser transpostos para qualquer tônica:

    Outras cifras equivalentes Cifra no padrão D'Accord
    C7/9, C7|9, C9/7, C7.9 C7(9)
    C7/4/9, Bb/C C4/7(9)
    C(5) C
    C7/4, C7/11, C4(7), Csus7 C4/7
    Cmin Cm
    Cmaj7, C7+, CM7, C+7 C7M
    Cdim, Cº Co
    Dó7, c7 C7
    A/Db A/C#
    C7(6), C7/6, C6/7, C13/7, C13.7 C7(13)
    C69, C6|9, C6/9, C6\9, C(6/9), C9(6), Cadd9(6), C9(13), C9/13, C13/9 C6(9)
    Csus, Csus4 C4
    F/G G4/7(9)
    G/A A4/7(9)
    A/B B4/7(9)
    C/D D4/7(9)
    D/E E4/7(9)
    Am/F F7M
    Bm/G G7M
    C#m/A, Dbm/A A7M
    D#m/B, Ebm/B B7M
    Em/C C7M
    F#m/D, Gbm/D D7M
    G#m/E, Abm/E E7M
    Am/F# F#m7(b5)
    Bbm/G Gm7(b5)
    Cm/A Am7(b5)
    Dm/B Bm7(b5)
    Fm/D Dm7(b5)
    Gm/E Em7(b5)


  • CONTATO
    É possível que este documento não esteja completo e até mesmo, por algum equívoco, incorreto. Se você tiver qualquer correção, alteração ou complementação a sugerir, por favor envie-nos um e-mail.

    daccord@daccord.com.br